quinta-feira, outubro 16, 2008

Unhais da Serra de novo "on fire"

Pois é caros leitores... os últimos 2 dias recebi neste post, relativo ao "atentado" que aconteceu em Unhais da Serra estes 2 comentários:

"Anónimo disse...

Que raio tantos problemas por cortarem umas árvores. Se alguém gosta de sua terra sou eu, e por isso gosto desta mexida toda , nem que para isso se tenha de cortar alguns platanos. Venha lá o progresso chega de estagnação. Parem de criticar , é tempo de abrir as portas para o desenvolvimento.Temos árvores que chegam para todos porquê tanta polémica ' Unhais é lindo!!!!!!!!!!!!"


"Anónimo disse...


concordo plenamente com o comentário anterior.pois os plátanos eram muito bonitos, mas era a porta das outras pessoas, pois quem vivia debaixo deles sabe bem o que passava, e os prejuisos que os mesmos davam.axo que unhais deve evoluir, e não ser visto apenas como uma spmples "terrinha"...pois a maior parte das pessoas que criticam esta evolução repentina, são pessoas que vivem fora de unhais, e é normal que gostassem de tudo como estava.mas unhais mereçe esta evolução e axo que deve seguir em frente..."

Porque será que fico com a sensação de que ambos os comentários são feitos pela mesma pessoa?

Caro anónimo, perdoe de "pegar" nos seus comentários e aproveitá-los para este post, mas creio que alguém que refere que "se alguém gosta de sua terra sou eu, e por isso gosto desta mexida toda , nem que para isso se tenha de cortar alguns platanos...", das duas uma, ou não tem nenhuma sensibilidade em relação ao crime que aconteceu com aqueles plátanos (centenários) ou então é não gosta da sua terra!

Estas árvores eram PATRIMÓNIO NATURAL da "sua" terra! Acha que Unhais tem assim tanto para ver e visitar que se possa dar ao luxo de andar a abater árvores, justificando que esse abate é que vai trazer "desenvolvimento"?

Eu não sou daí, mas pode ter a certeza que gostava mais da "sua" terra com essa "alameda" da Plátanos, que dariam um acesso nobre até às Termas, em vez da grandiosa avenida (sinal de desenvolvimento) que foi construída... E também lhe posso dizer que houve pessoas da "sua" terra com quem eu falei e que se mostraram super revoltadas pelo que certas "cabecinhas" decidiram fazer com esse PATRIMÓNIO NATURAL da "sua" terra...

Por fim (e em especial para si) deixo-lhe este postal já com alguns aninhos, onde pode ver a dimensão que tinha Unhais, a "sua" terra que tanto gosta, e a "alameda" de plátanos que foram cortados para permitir que o "desenvolvimento" chegasse à "sua" terra:

(clique para ampliar a imagem)

"Temos árvores que chegam para todos porquê tanta polémica ." (anónimo)

Estas já não, caro anónimo...

Viva o desenvolvimento (parolo) em que o País está mergulhado! Enfim...

10 comentários:

Pedro Nuno Teixeira Santos disse...

Passados mais de 30 anos do 25 de Abril e um pouco mais desde que as preocupações ambientais ganharam "visibilidade", em Portugal parece que continuamos no ponto zero.

Dito por outras palavras, parece que o progresso se resume ao betão e ao cimento. E que é impossível conciliar um simples investimento turístico, com a preservação do património natural.

Progresso é cortar árvores, porque árvores há muitas...Aliás, basta fazer a estrada de Unhais para as Pedras Lavradas para nos deslumbrarmos com a "sombra de tamanhas florestas"!

Parece até que Unhais não se desenvolvia, ou não se desenvolve, por causa dos plátanos! Aliás, toda a gente sabe, se há coisa que afasta a riqueza, as empresas e as pessoas, são as árvores!

Curiosamente, no Norte da Europa e nos EUA e no Canadá, onde o desenvolvimento económico (e a cultura cívica)é bem maior do que por cá, o respeito pelas árvores é bem maior. Curiosamente, por aí as árvores não parecem atrapalhar o dito "progresso".

Curiosamente, sou daqueles que considera que o facto de nos países mais desenvolvidos existir um maior respeito pela árvore, não é uma simples coincidência.


Por cá, a pobreza económica é grave, mas não tanto como a "pobreza de espírito"

Termino com as palavras de Sophia de Mello Breyner Andresen, uma das maiores vozes da literatura de língua portuguesa do século passado.
Porque ela diz o que eu não consigo dizer:
"O homem que é insensível ou indiferente à poesia, à música ou à pintura é um homem ensurdecido no seu ser e diminuído na sua existência. Um homem mutilado, anormal e temível. É o destruidor da alegria".

Anónimo disse...

Bem, mais uma terra deste Portugal que eu NÃO quero re-visitar.

Tenho uma lista de lugares NÃO-NÃO do nosso país. Normalmente são aqueles sítios pejados de ridiculas casas amarelas de alguns emigrantes. Parece que Unhais da Serra entrou para essa lista.

Vivó desenvolvimento pimba!!

Paulo Roxo

Caetano disse...

Eu acho que devíamos imediatamente derrubar os pinhais à volta não vão as árvores crescer e fazer sombra à porta das pessoas.

Nas cidades há cada vez mais preocupação em criar espaços verdes. Outros, não só defendem o corte de árvores como ainda lhe chamam progresso. Enfim...! Mentalidades.

Caetano disse...

Já agora, não tendo relação com a Serra da Estrela mas pelo facto de se tratar de um ponto muito peculiar da Beira Interior, quero convidá-los a passar pelo Blog do Katano (http://dokatano.blogspot.com) para conhecerem a história da aldeia "fantasma" de Colmeal.

Um abraço e continuação do vosso excelente trabalho aqui pelo EnsM!

Rotiv disse...

O Blogue dos MANTEIGAS deseja a todos os seus amigos e visitantes um Natal recheado de Alegria e Amor e que 2009 traga muitas visitas e Saúde.
Postal: http://aroundmd.com/whitechristmas/
Muitos sorrisos,
http://bloteigas.blogspot.com/

Anónimo disse...

so tenho a deixar a minha resignação por estas mentes brilhantes que tao indignadas ficam com o abate de 10 arvores na estrada das termas e nao falam de milhares de arvores q sao queimadas por ano.Se tivesse alguma a porta para lhe rebentar com o telhado e rachar as paredes nao pensaria desta forma com certeza.Mas com esses conhecimentos "fracos" digo eu q o senhor aparenta ter, deve ser mais um cidadão falhado no seu quatidiano

João Pereira disse...

Caro anónimo,

Aqui ninguém deixa de se preocupar com os milhares de árvores que são abatidas todos os anos. Eu não sou deste blog, mas acho que o seu comentário necessita de bastantes correcções.
Depois, neste blog assim como em muitos outros que conheço, as pessoas não têm conhecimentos fracos, têm antes muito conhecimento e consciência cívica.
Em relação aos problemas causados pela dita árvore, isso facilmente se resolve: transplanta-se ou poda-se a árvore em questão. Não é arrancando toda uma lindíssima alameda de plátanos que se chega ao desenvolvimento. Fique a saber que é por causa do que se tem feito nos Unhais da Serra e em outras aldeias da vertente sul que não estão na minha lista e na de muita gente que antes as queria visitar. Ás vezes tenho pena que ainda haja gente como você nas nossas aldeias: melhores e mais decentes são as pessoas de Unhais que se opuseram ao abate da alameda pois queriam uma aldeia tradicional, bela, com árvores, calma e com um turismo baseado na Natureza e na actividade termal em comunhão coma a Natureza: que com certeza iria trazer desenvolvimento.
Atreva-se a insultar os autores deste blog, é como se me tivesse a insultar ,a mim, este, o Cântaro Zangado, o meu blog e muitos outros que só procuram chamar a atenção para aquilo que é melhor para o país.
Já está contente sem as árvores?!

Um Bom Ano Novo (com mais consciência daquilo que se anda a fazer na Serra)

Anónimo disse...

Foi com muita atençao que li o seu ESTÚPIDO comentário em relação a minha opiniao, com respeito aos platanos.
De facto e por isso dou graças a Deus para que UNHAIS DA SERRA nao conste no seu roteiro turistico (será visitante)pois nao me parece, e verssando o seu !!!! comentário certamente não sabe o mal que tais arvores provocam pois se quiser visite esta maravilhosa vila da qual tenho o prazer de ser filho e residente e veja as estradas,muros e habitações que ficam perto das mesmas!!!
Não sou contra a natureza muito menos contra o abate destas, mas que se possa conciliar o util ao agradável visto existirem arvores (que não platanos) que emblezam a paisagem e não prejudicam ninguem.
Certamente que o senhor não terá um platano a sua porta.
Será que para o senhor é mais importante o abate de alguns platanos,ou criar infastruturas que permita às pessoas não ter de sair da sua terra para poderem ter uma vida digna?
Fico-me por aqui, e antes do senhor do Blog "Cantaro Zangado" tecer criticas parvas sem conhecimento dos facto deve inteirar-se da real situação, porque dizer mal so por dizer e que este pais esta nesta situação.

Anónimo disse...

Conheço bem a estrada do banho e centenas de veze a atravesei a por baixo do aqueduto junto à escola do prof Gil. Louvo o progresso. Surpreendi-me com o novo hotel onde irei refugiar-me sempre que possa. Não sou de Unhais, mas adoro Unhais. Andei na escola do prof Abranches à rua da levada nos anos 50 e ia atirar pedras às arvores da estrada do banho para fazer cair as vagens e chupar o doce. Nao eram plátanos. Sou de opininião que o progresso deve ser conciliado com a natureza. Provavelmente a frescura da estrada do banho terá sido afectada...

Anónimo disse...

conhecendo Unhais como conheço e as suas gentes A VERDADE acerca do corte destas árvores e tão simples e resume-se à seguinte frase:

SE FOSSE ALGUÊM DA TERRA OU DEVIDO AO INVESTIMENTO DE ALGUÊM DA TERRA ATÉ O SINO TOCAVA A REBATE MAS COMO É GENTE DE FORA ESTÁ TUDO BÉM...!

essa é que é a pura verdade!!!!