terça-feira, janeiro 22, 2008

Baú das declarações deprimentes (epis. 1)

Inspirado nos “Gato Fedorento”, em que no programa “diz que é uma espécie de magazine” havia a rubrica “tesourinhos deprimentes”, o Estrela no seu melhor decide avançar com a rúbrica “baú das declarações deprimentes”.

Será que vai ser muito difícil manter esta rúbrica actualizada? Vamos dar tempo ao tempo para ver o resultado.

E para primeiro post desta nova rúbrica, o tema/personalidade escolhido é…. Tcham tcham… Região de Turismo da Serra da Estrela e o seu presidente…

Ora vejamos. Em 13 de Junho de 2007, no jornal gratuito Já Agora, podia ler-se na capa “Requalificar casas de zinco é prioridade”!

Excelente… que frase tão profunda nos 50º aniversário da RTSE… Nada melhor para ser anunciado do que “requalificar casotas” de zinco.

Mas passemos ao interior do referido jornal:

(clique na imagem para ampliar)

Afinal temos um “Turismo cada vez mais qualificado”, segundo declarações do responsável máximo da RTSE.

Olhando para as imagens que ilustram o artigo, restam-me algumas (muitas e óbvias) dúvidas.
Acha o leitor que alguma das 3 imagens que se vêm, demonstra esse “turismo cada vez mais qualificado”, que o presidente afirma que existe na Serra da Estrela?

Mas agora vejamos uma das mais humorísticas e emblemáticas “declarações deprimentes” que foram proferidas os últimos tempos por estas paragens.
Quando a jornalista questiona o entrevistado em relação à falta de neve, a resposta é simplesmente genial. “Não devemos enveredar por este tipo de pensamento, até porque não está comprovado”, mas melhor ainda é, “de facto, no último Inverno o cenário foi diferente, mas isso pode acontecer uma vez em cada 10 anos”.
Espectacular! Creio que depois destas afirmações, o Aquecimento Global, até teve medo de vir para estas paragens…

Relativamente à questão relativa à recuperação das ruínas situadas na Torre e Penhas da Saúde, ficamos a saber que a requalificação está a ser tratada… ainda se está a tentar saber “qual será o melhor aproveitamento daquelas estruturas”. Ainda? Querem uma sugestão? Deitem mas é aquela m**** abaixo de uma vez por todas.
Quanto ao Sanatório, também ficamos informados que “o problema deverá ficar desbloqueado dentro de alguns meses”. Quantos meses? Já se passaram uns poucos desde a entrevista. Alguma novidade? Creio que está tudo na mesma… obviamente.
E nas Penhas, ficaram também por avançar as infra-estruturas para a criação da tal verdadeira estância de montanha… bla bla bla…

Agora vejamos em baixo o que para este dirigente é “reabilitação ambiental”. A certa altura pode ler-se “uma das grandes prioridades a reconversão das habitações de zinco situadas nas Penhas da Saúde”; “as obras realizadas junto ao café deram uma outra imagem àquela zona. As ruas estão bem planificadas e as casas têm uma arquitectura de acordo com a montanha”. Mau! Mas será que estamos a falar das Penhas da Saúde ou de outras Penhas? Ruas bem planificadas em que nem dois carros cabem? Casas que têm uma arquitectura de montanha? Quais?... Sinceramente Sr. Presidente da RTSE acredita mesmo naquilo que está a dizer? Acha mesmo que a arquitectura que está a ser desenvolvida naquele local é de montanha? Já nem sequer vou questionar os chalets vindos directamente da Finlândia, que considero um autêntico atentado para com a identidade da nossa Serra da Estrela, mas dizer que as várias construções que estão a ser feitas na zona das Penhas são de montanha, é o mesmo que chegar ao Algarve e construir casas de granito e janelas pequenas à beira mar…
Se querem saber a minha opinião, o que se passa na zona das Penhas é pura e dura especulação imobiliária, sem a mais mínima qualidade quer de concepção quer de construção.

Para finalizar, vejamos o belo do roteiro para o Verão, que nos aconselha o Sr. Presidente da RTSE:
- alojamento nas Penhas Douradas (para quem não sabe, está ali para mim o melhor local para estadia em toda a Serra da Estrela, só é pena ou talvez não, ter apenas 10 habitações)
- passeio até ao Vale Glaciar do Zêzere (depreendo por estas palavras que talvez seja para passar lá de carro)
- umas horas de prática de esqui ou escalada no Ski Parque (sinceramente… nem vou comentar)
- visita ao museu judaico (e porque não os outros museus também que existem em Belmonte, ou o Castelo, ou Centum Cellas?...)
- e uma paragem obrigatória no CISE, em Seia

Maravilhoso! Como é possível o presidente da entidade que deveria de promover o Turismo na Serra da Estrela dar estas singelas sugestões… Covilhã (nem vê-la), museu do Pão (idem), gastronomia (para quê), as várias Lagoas (não se chega lá de carro, “né”), etc, etc, etc…
Mas o que acho ainda mais triste é que até para um roteiro de Verão se tenha como sugestão “umas horas de prática de esqui”!

Sr. Presidente da RTSE… aconselho-o a visitar algumas montanhas que vivem da e para além da NEVE! Com tanta coisa interessante para ver na nossa Serra, o que o senhor tem para propor é “umas horas de prática de esqui” numa manta de água instalada numa encosta da Serra na zona do Sameiro?
Agora compreendo o título deste artigo (“turismo cada vez mais qualificado”) enquanto o vejo a apontar para as ruínas da Torre… Lá diz o ditado, “uma imagem vale mais que mil palavras…”

3 comentários:

ljma disse...

O ski parque está instalado no Sameiro como poderia estar instalado em Beja, Vila Nova de Gaia ou Albufeira. Não é uma das maravilhas da Serra. Não é uma especificidade. Duvido que seja uma mais valia para o concelho de Manteigas e a sua população (leia-se, a propósito esta notícia, que estranhamente nunca vi desmentida ou, de algum modo, suavizada).

O Turismo de montanha *a sério* inclui o ski, nas montanhas onde ele é viável. Mas não se reduz ao ski (muito menos em sítios, como a Estrela ou a sierra de Bejár, onde o ski não tem grandes condições). E não se reduz a uma concessão exclusiva que obriga (mesmo que nem sempre se imponha essa obrigação) outros empresários ao estabelecimento de parcerias com a empresa concessionária.
Aqui na Serra, temos estas "originalidades locais" e acusam-se os que se pronuciam contra elas de radicalismo.
Estamos no rumo certo, estamos de parabéns. Com cada vez mais "requalidade". Como de costume, desde sempre.

PS. Cova Juliana, referes como crítica a este rumo para o turismo da Estrela que "E nas Penhas, ficaram também por avançar as infra-estruturas para a criação da tal verdadeira estância de montanha…"
Infelizmente, não ficaram por avançar. O problema é que a ideia que estes poderes têm de "estância de montanha" é o que nas Penhas se anda a fazer: condomínios, mas daqueles com muita "requalidade".

P.R. disse...

E já agora relembro uma frase especialmente deprimente proferida pelo dono e senhor da Turistrela em entrevista com a sic, a propósito de uma proposta de construção de uma nova barragem no vale de Manteigas (!!!) e relativamente à possivel extinção de uma particular ave de rapina: "...á está em extinção?! Então extingue-se de vez!"

Paulo Roxo

ljma disse...

Devia-se era extinguir de vez uma certa concessão exclusiva, já para não ir ao ponto de pedir a extinção de um certo alvará...