domingo, fevereiro 01, 2009

Cartel Turistrela, Câmara da Covilhã

Ontem estava eu descansadinho a ver o Jornal da Tarde, na RTP, quando de repente dá esta reportagem:



Pensei de imediato, "é preciso ter mesmo lata... ainda no outro dia elogiaram o trabalho do centro de limpeza de neve e agora vem criticar?"

Mas para cúmulo (a juntar ao cúmulo das declarações do Sr. Artur Costa Pais) eis que vem a Câmara da Covilhã emitir um comunicado (a um sábado?) a corroborar o que o sr. administrador da Turistrela (empresa privada que tem a concessão exclusiva do turismo na Serra da Estrela) afirmou. Será que se formou um cartel para combater o Centro de Limpeza de Neve?

Mas leia-se a notícia que foi divulgada pela agência Lusa:

"Serra da Estrela: Fecho de estradas contestado, GNR diz zelar pela segurança
01 de Fevereiro de 2009, 15:30

Covilhã, 1 Fev (Lusa)

A Turistrela e a Câmara da Covilhã contestam o número de vezes que as estradas na Serra da Estrela fecham devido à neve, mas a GNR diz zelar pela segurança e que as queixas "não fazem sentido".

Segundo o registo do Centro de Limpeza de Neve, a que a Agência Lusa teve acesso, o fecho totalizou nove dias em Janeiro, afectando três dos cinco fins-de-semana do mês - os períodos mais comuns para passeios.

Artur Costa Pais, administrador da Turiestrela, disse hoje à Lusa que a estrada para a Torre "podia estar aberta mais vezes", mas a GNR mantêm-na fechada "por falta de conhecimentos" e porque "faltam meios ao Centro de Limpeza de Neve".

"A solução é como se faz lá fora: um concurso público internacional e concessionar o serviço a empresas espanholas ou francesas que tenham anos de experiência em destinos semelhantes à Serra da Estrela", sugere.

Com as estradas fechadas, a estância de esqui e outros serviços não funcionam e Artur Costa Pais queixa-se de elevados prejuízos.

"Estes senhores nunca visitaram uma estância lá fora. Estão habituados a gerir estradas das aldeias e pouco mais. Estão a matar-nos", refere.

Em comunicado, a Câmara da Covilhã anunciou sábado que vai "responsabilizar o Ministério das Obras Públicas pelos prejuízos causados à economia regional" e exigir medidas para que não se repitam.

Caso contrário, "a Câmara da Covilhã encara a possibilidade da sua gestão em condições que permitam a salvaguarda dos interesses regionais".

"A GNR só abre a estrada quando o alcatrão está seco e isso não pode ser", sublinha Artur Costa Pais, dando como exemplo o último sábado, em que apesar da manhã soalheira as estradas estiveram fechadas.

"Algumas curvas tinham um pouco de neve. Mas qual é o problema", questiona. "Lá fora andamos com 15 e 20 centímetros de neve", refere, acrescentando: "As pessoas não andam a 200 à hora na Serra da Estrela"

"Pelo menos podiam deixar passar os jipes e carros com correntes, mas nem isso", refere o empresário.

Questionado sobre quem assumiria responsabilidades em caso de acidentes, aquele responsável responde: "Mas e se chove? Em qualquer auto-estrada há problemas e o que é que havemos de fazer", pergunta.

"As estradas podiam estar abertas mais vezes, com segurança, mas não abrem", conclui. "Não há situações dessas", contrapõe o tenente-coronel Hélder Almeida, comandante distrital da GNR em Castelo Branco, à Agência Lusa.

"Não sei quem suporta os prejuízos" inerentes ao fecho de estradas. "Mas não podemos permitir o acesso à Torre se não for garantida a segurança. Há vários interesses legítimos na Serra da Estrela, conciliáveis em várias circunstâncias e noutras não", acrescenta.

Hélder Almeida garante que há uma "preocupação permanente em ter as estradas abertas, sempre que possível" e considera que "as queixas não fazem sentido, estão desprovidas de contexto. Ninguém nos pode acusar de descoordenação", sublinha.

Em seis anos de trabalho conjunto da GNR e Estradas de Portugal, "houve cerca de 100 acidentes na Serra da Estrela, 97 dos quais apenas com pequenos danos materiais. Nunca houve acidentes graves, nem queremos que haja, porque a responsabilidade será assacada a nós".

Presentes no Centro de Limpeza de Neve ao lado da GNR, na última noite, os directores de estradas de Castelo Branco e Guarda remeteram declarações para outra oportunidade.

O Centro tem actualmente seis limpa-neves, três máquinas rotativas e 17 homens."

--------------------

Depois de ser ler esta notícia creio que está mais claro que água o motivo pelo que o sr. administrador da Turistrela se vem pronunciar. Não está a perceber porquê? Então vou transcrever o que foi referido pelo referido senhor:

"Com as estradas fechadas, a estância de esqui e outros serviços não funcionam e Artur Costa Pais queixa-se de elevados prejuízos."

Aqui está, o problema para este senhor das estradas estarem fechadas não é o de virem pessoas de longe e ficarem a ver a neve à distância... o problema para este senhor é que se as estradas tiverem fechadas, ele não ganha €€€'s da estância e afins!

Em relação às declarações ridiculas que tal fulano proferiu, tanto na televisão como na imprensa, nem vale a pena comentar, uma vez que só vem demostrar o nível que tem.

Agora o que não entendo é o porquê da Câmara da Covilhã se vir juntar a este senhor.Quando a certa altura se lê em comunicado que "a Câmara da Covilhã vai responsabilizar o Ministério das Obras Públicas pelos prejuízos causados à economia regional", não entendo a que "economia regional" se está a referir. Será que a "economia regional" para a Câmara da Covilhã é apenas o que se factura lá em cima na Torre?! É que para mim "economia regional" é algo diferente.
Ora vejamos, se os turistas vieram à Serra da Estrela (que não é só a estância e Torre) e não puderam subir, onde é que irão "aproveitar" o tempo? Será que ficam nos Piornos, dentro dos carros à espera que a estrada abra e subam em debandada Serra a cima? Não creio... Pelo que creio e pelo que vi, descem até à Covilhã e "deixam" bastantes €€€'s cá em baixo!!! Claro que esses €€€'s não entram nos cofres da Turistrela, mas será que a "economia regional" que a Câmara da Covilhã vem apregoar não está salvaguardada também pela cidade?!

Tenham vergonha tanto Turistrela e Câmara da Covilhã por se virem a armar em entendidos em Limpeza de Estradas! O problema desta Serra continua a ser sempre o mesmo. Enquanto os macacos andarem a saltitar de galho em galho e não souberem ser entendidos naquilo que efectivamente deviam ser, esta Serra (ou serrinha) não passará da cepa torta em que está mergulhada!

Muito mais averia para referir, mas por falta de tempo (e paxorra) vou ficar por aqui.

Gostaria apenas de deixar umas questões no ar para os leitores poderem ir meditando:

1- quando o sr Artur Costa Pais refere que "a solução é como se faz lá fora: um concurso público internacional e concessionar o serviço a empresas espanholas ou francesas que tenham anos de experiência em destinos semelhantes à Serra da Estrela", o que gostaria de saber é se a concessão que a empresa da qual ele é administrador, também foi atribuída através "dum concurso público internacional" tal e qual "como se faz lá fora"?

2- quando o sr Artur Costa Pais refere que "estes senhores nunca visitaram uma estância lá fora", o que eu gostaria de perguntar é se ele lá fora também vê Hummer a descer pelas pistas das estâncias (para impressionar as miúdas que vão lá dentro), tal como já aconteceu várias vezes na estância da Serra da Estrela?

3- já agora, quando a telecadeira Piornos Torre estiver feita, acabada e a funcionar que irá suceder? Já estou a adivinhar que em dias de vento a estrada terá que abrir, para os turistas poderem subir até à Torre e depois teremos novamente o discurso da treta a referir que "a culpa é do vento... a culpa é dos limpa-neves... bla bla bla"

Ps: Creio que mais importante do que ter estradas abertas, o importante era haver uma campanha de sensibilização (tanto ao nível da imprensa como da televisão) para quem vem visitar a Serra da Estrela! Talvez seja interessante ler-se esta notícia e perceber-se porque é que muitas vezes a estrada não abre, enquando as condições de segurança não estiverem asseguradas. Já agora, convém recordar o que aconteceu no ano passado através dos números...

3 comentários:

Rotiv disse...

A vida é bela...

ljma disse...

Fui a La Covatilla no final de Dezembro, com a ideia de esquiar dois dias. Esquiei no primeiro, no segundo não me deixaram subir porque estava a nevar na zona da estância? Muito? Nem por isso. Já lá tinham chegado muitos esquiadores, que vieram todos para baixo a meio da manhã.

Lá fora, como aqui, as autoridades jogam pelo seguro. E é assim que deve ser.

Anónimo disse...

Ai tanta dor de cotovelo que eu vejo por aqui. Alguém gostaria de ter ficado com os hoteis e pistas.